skip to Main Content
Central de atendimento (21) 3850-5900 (21) 2556-5541 (21) 2557-4038 (21) 2557-4731
Esclerose Múltipla: Do Surgimento Dos Sintomas Ao Diagnóstico

Esclerose Múltipla: do surgimento dos sintomas ao diagnóstico

Não é fácil receber um diagnóstico de Esclerose Múltipla (EM). De início, a notícia causa espanto, medo e incertezas, justamente porque os primeiros sintomas são geralmente discretos e intermitentes. Como aparecem e somem, o paciente desconfia que se trata apenas de algo passageiro e sequer vai ao médico.

A associação da esclerose como uma “doença de velho” também assusta os pacientes. No entanto, a doença acomete mais frequentemente indivíduos de 20 a 40 anos. E também é mais comum em mulheres e em pessoas de pele branca, segundo estudo publicado em 2013 pela Federação Internacional de Esclerose Múltipla e Organização Mundial da Saúde.

As causas da Esclerose Múltipla ainda não são totalmente conhecidas. O que se sabe é que sua evolução difere de uma pessoa para outra, daí a importância do acompanhamento contínuo dos pacientes, inclusive com a utilização de exames que podem detectar precocemente os surtos da doença. A jornada do paciente com EM é realmente um desafio, mas há caminhos que proporcionam uma boa qualidade de vida. 

Os primeiros sintomas

A manifestação dos sintomas da Esclerose Múltipla varia de acordo com os nervos afetados e os danos causados. A fase inicial da doença em geral é bastante sutil, e os sinais são transitórios, o que faz com que o paciente não dê tanta importância. Com o agravante de que, como duram poucos dias, não causam alerta e são atribuídos a um mal estar passageiro, mesmo quando retornam.

A preocupação só começa de fato quando algum sintoma mais grave aparece. São eles, de modo geral:

·         Formigamento, dormência, dor, ardor e coceira nos braços, pernas, tronco ou face e, algumas vezes, uma menor sensibilidade ao toque;

·         Perda de força ou destreza em uma perna ou mão, que pode se tornar rígida;

·         Problemas com a visão (pode se tornar turva ou pouco clara, visão dupla e estrabismo);

·         Fadiga, tontura ou vertigem;

·         Dor parecida com choque elétrico que irradia pela coluna e membros.

Como é o diagnóstico

Diante do surgimento de algum desses sintomas, o paciente deve procurar um médico neurologista.

O diagnóstico da Esclerose Múltipla envolve uma avaliação clínica minuciosa e a utilização de biomarcadores através de exames eletrofisiológicos, exames de sangue, ressonância magnética e análise do líquido cefalorraquiano (liquor), até mesmo para descartar outras doenças.

Com a aplicação da tecnologia na área da saúde, contudo, foi possível disponibilizar um outro método bastante sensível, capaz de apoiar o diagnóstico da Esclerose Múltipla de forma rápida e precisa, o Freelite® Mx, desenvolvido pela Binding Site. Através desta metodologia é possível quantificar as cadeias leves livres kappa-lambda em amostras do Líquor,  que já está disponível no Neurolife.

A Esclerose Múltipla ainda não tem cura, mas as novas drogas disponíveis conseguem controlar a evolução da doença e aliviam os sintomas de forma bastante satisfatória – outro fator que reforça a importância do monitoramento constante da doença.

Fale com o Neurolife

O Neurolife foi fundado em 1990 como um laboratório especializado na coleta e análise do Líquido Cefalorraquiano (Líquor), atendendo pacientes ambulatoriais, hospitais e clínicas especializadas, em parceria com as operadoras de saúde.

Temos uma equipe altamente capacitada e pronta para atender pacientes que buscam o diagnóstico para Esclerose Múltipla. Entre em contato e conheça os nossos serviços para obter mais informações.

Back To Top