Central de atendimento (21) 3850-5900 (21) 2556-5541 (21) 2557-4038 (21) 2557-4731
Crianças E Doenças Respiratórias: Como Garantir 100% De Eficácia No Diagnóstico

Crianças e doenças respiratórias: como garantir 100% de eficácia no diagnóstico

O atendimento de crianças com sintomas respiratórios ganhou novos e importantes elementos desde a chegada da pandemia da COVID-19 ao Brasil. Isso porque os protocolos determinam, de início, o teste para confirmar o contágio ou não pelo SARS-CoV-2 ou uma de suas variantes.

Essa necessidade acaba afastando muitos pais do pronto-socorro, por entenderem que o teste gera um desconforto “desnecessário” para seus filhos.

Junte a isso as dificuldades inerentes ao diagnóstico clínico de problemas respiratórios, dada a enorme gama de agentes causadores de infecções. Outro obstáculo para considerar é a dificuldade da criança definir os sintomas, quando eles não estão aparentes – isso quando ela já sabe falar).

Novos desafios

Ao mesmo tempo, a própria COVID-19 impôs um novo desafio para pediatras e clínicos gerais em todo o país. É mais um leque de sintomas parecidos com outras doenças respiratórias, e se a criança passar pelo teste e a doença for descartada, ainda sobram muitas possibilidades.

Enquanto as enfermarias permanecem lotadas por conta do aumento natural de casos no inverno, é cada vez mais importante fazer um diagnóstico preciso para evitar a ocupação desnecessária de leitos.

Vale lembrar que a vacinação contra a COVID-19 para a faixa etária abaixo dos 12 anos ainda é uma incógnita.

O diagnóstico 100% correto é possível?

Respondendo objetivamente a pergunta, sim. Hoje há exames acessíveis para identificar os mais específicos agentes causadores de problemas respiratórios.

No decorrer do tempo, tornou-se natural e algo até culturalmente incorporado classificar como “virose” ou “síndrome gripal” os quadros de crianças com sintomas respiratórios, febre, mal estar e dor no corpo.

A longo prazo, a pensando em escala, isso leva à subnotificação. É algo que prejudica a adoção de políticas públicas mais direcionadas, leva à administração de medicamentos eventualmente equivocada e à ocupação de leitos sem necessidade.

Qual é a saída?

Há alguns modelos de análise laboratorial, até então restritos ao meio acadêmico ou a instituições que oferecem serviços exclusivos, que começam a se popularizar no mercado.

Um deles é o PCR Painel Respiratório, disponível no Neurolife, no Rio de Janeiro. Os resultados saem em até 24 horas. Ou seja: se o SARS-CoV-2 for descartado e outro vírus for detectado, as estratégias de prevenção e tratamento podem ser elaboradas de acordo com o agente etiológico identificado.

Os 24 agentes identificados pelo PCR Painel Respiratório são: Adenovírus, Bocavírus, Coronavírus SARS-CoV-2, Coronavírus SARS, Coronavírus 229E, Coronavírus HKU-1, Coronavírus OC43, Coronavírus NL63, Enterovírus, Metapneumovírus, Rinovírus, Vírus Influenza A, Vírus Influenza A – subtipo H3, Vírus Influenza A – subtipo H1N1, Vírus Influenza B, Vírus Parainfluenza 1, Vírus Parainfluenza 2, Vírus Parainfluenza 3, Vírus Parainfluenza 4, Vírus Sincicial Respiratório – subtipo A, Vírus Sincicial Respiratório – subtipo B, Bordetella pertussis, Bordetella parapertussis e Mycoplasma pneumoniae.

O exame permite o diagnóstico diferencial rápido de diversas infecções respiratórias, sejam estas causadas por bactérias ou vírus. Além do SARS-CoV-2, identifica outros 5 tipos de coronavírus.

O exame do Neurolife é oferecido em parceria com a Biometrix e o HLAGYN.

Fale com o Neurolife

Se você se interessou pelo PCR Painel Respiratório, entre em contato com nossa equipe ou acesse nossa biblioteca de conteúdo para mais informações.

Back To Top
Olá! Precisa de ajuda?