Central de atendimento (21) 3850-5900 (21) 2556-5541 (21) 2557-4038 (21) 2557-4731
Crianças Enfrentam Boom De Viroses Com Volta Ao “normal”

Crianças enfrentam boom de viroses com volta ao “normal”

As viroses e síndromes gripais voltaram com tudo. A incidência estava em queda desde o ano passado, impulsionada principalmente pelo fechamento das escolas e as medidas de restrição adotadas para controle da pandemia de COVID-19.

Mas, com o arrefecimento do número de mortes e de novos casos da doença, as atividades estão voltando à normalidade em todo o país. O que inclui as escolas, espaços em que a transmissão de doenças virais sempre foi favorecida, dadas as características de espaços reduzidos divididos por um grande número de crianças.

O agravante é que, agora, muitas crianças que nunca tiveram contato presencial com a escola, por conta da pandemia, estão indo pela primeira vez para a sala de aula. Com o sistema imunológico pouco resistente, são vítimas ainda mais fáceis dos vírus.

Números oficiais

O boom de viroses no segundo semestre deste ano é confirmado por números oficiais, como os do boletim mais recente da Fiocruz, divulgado no fim de outubro. Segundo o levantamento, o número de casos de pacientes entre 0 a 9 anos diagnosticadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) aumentou e já é, em alguns casos, superior aos casos de COVID-19.

Vale lembrar que o Neurolife também conduz, neste momento, uma pesquisa sobre o assunto no CHN (Centro Hospitalar de Niterói).

Desta vez, de acordo com os registros da Fiocruz, os vilões são bocavírus e parainfluenza 3 e 4, que se somam aos casos de vírus sincicial respiratório (VSR) e rinovírus. O alerta da Fiocruz é direcionado, principalmente, ao VSR, uma das principais causas de infecções das vias respiratórias e pulmões em recém-nascidos e crianças pequenas.

Durante o período de maior incidência desse vírus, ele é responsável por 75% dos casos de bronquiolite e 40% das pneumonias em crianças de até dois anos. Crianças com menos de cinco anos infectadas com a doença têm maior risco de desenvolver formas graves.

Faixa etária

O aumento no número de casos foi mais destacado em recém-nascidos e crianças do que no restante da população devido ao desenvolvimento do sistema imunológico.

O sistema imunológico se desenvolve a partir do convívio social, quando a criança passa a ter contato com os agentes patológicos, normalmente, entre o primeiro e segundo ano de vida. Além disso, cada vírus tem sua uma sazonalidade específica, o que faz com que a criança tenha contato com os vírus de uma forma quase que escalonada.

O que fazer?

Os cuidados para evitar uma virose respiratória são os mesmos adotados contra a COVID-19:

  • Uso de máscara
  • Preferência por ambientes ventilados
  • Uso de álcool em gel

No ambiente escolar, é recomendado o escalonamento de turmas no horário de entrada, intervalo e saída. Desse modo, não ocorre uma alta concentração de alunos em um mesmo ambiente em um mesmo horário.

Se possível, o mesmo deve ser adotado para o intervalo ou a hora do lanche, que deve ser, prioritariamente, em um ambiente bastante ventilado e espaçoso para evitar a aglomeração, como o pátio ou a quadra.

Conheça o Painel Respiratório

O Neurolife, no Rio de Janeiro, conta com uma solução que identifica 24 agentes infecciosos causadores de doenças respiratórias: o PCR Painel Respiratório. Os resultados são liberados em até 24 horas.

Os 24 agentes identificados pelo PCR Painel Respiratório são: Adenovírus, Bocavírus, Coronavírus SARS-CoV-2, Coronavírus SARS, Coronavírus 229E, Coronavírus HKU-1, Coronavírus OC43, Coronavírus NL63, Enterovírus, Metapneumovírus, Rinovírus, Vírus Influenza A, Vírus Influenza A – subtipo H3, Vírus Influenza A – subtipo H1N1, Vírus Influenza B, Vírus Parainflunenza 1, Vírus Parainfluenza 2, Vírus Parainfluenza 3, Vírus Parainfluenza 4, Vírus Sincicial Respiratório – subtipo A, Vírus Sincicial Respiratório – subtipo B, Bordetella pertussis, Bordetella parapertussis e Mycoplasma pneumoniae.

O diagnóstico etiológico preciso orienta as medidas de precaução, estratégias de tratamento e o diagnóstico clínico.

Se você se interessou pelo PCR Painel Respiratório, entre em contato com nossa equipe ou acesse nossa biblioteca de conteúdo para mais informações.

Back To Top
Olá! Precisa de ajuda?